Águas Lindas é uma das cidades que estão em constante desenvolvimento



As obras continuam a todo vapor em Águas Lindas, e a população é que agradece! A Prefeitura da cidade por meio da Secretaria de Obras estará realizando na última semana o serviço urbano terraplanagem nos setores de chácaras Águas Bonitas 1, Pato Selvagem, entre outros.
A terraplanagem é um serviço executado como uma das etapas anteriores a pavimentação asfáltica. Para que o asfalto tenha durabilidade é necessário que as ruas estejam planas.
O serviço de terraplanagem na cidade é realizado pela Prefeitura de Águas Lindas por meio da Secretaria de Obras, assim como os serviços de pavimentação e recuperação asfáltica.
Toda semana várias equipes da Secretaria de Obras vão às ruas para realizar diversos tipos de serviços urbanos em prol da comunidade. Os moradores podem solicitar os serviços através do Canal de Solicitação da Secretaria de Obras, pelo número: (61) 3613-9458. É só ligar e aguardar.

Hospitais estadualizados descentralizam atendimento a pacientes com Covid-19 no interior de Goiás

Consultas nos ambulatórios do Hutrin, HRL e HRF somam mais de 2 mil

Hospital de Urgências de Trindade - Foto: Caroline Guerra.

Uma Águas Lindas mais limpa


O compromisso de conservação da limpeza urbana também é da população águaslindense, que deve evitar jogar lixo em terrenos vazios, mesmo que não tenha placas indicativas de proibição.

O acúmulo de lixo em áreas inapropriadas atrai pequenos animais, insetos e mau cheiro, assim como bocas de lobo sujas, por conta do lixo que é levado pela enxurrada, durante períodos chuvosos, gerando além de riscos à saúde, impacto visual negativo nestas regiões, por causa da sujeira, forte odor e até alagamentos.

O dever de realizar manutenção da limpeza urbana em Águas Lindas é de todos. Auxilie no seu bairro, não jogando lixo em terrenos vazios. Colabore para o bem-estar de todos, inclusive o seu. Compartilhe dessa ideia. Seja um cidadão consciente.

Valor do BRB aumenta mais de 400% no mercado e banco passa a valer R$ 6 bilhões



A maior valorização da história do Banco de Brasília ocorre após parceria entre a instituição financeira e o Flamengo


Foto: José Melo.



Nos últimos dias, o valor de mercado do Banco de Brasília aumentou 400% e saltou de R$ 1,2 bilhão para R$ 6 bilhões. A valorização do BRB é medida a partir do preço das ações do banco na Bolsa de Valores.


O crescimento mais significativo – de R$ 2,5 bilhões para a marca atual – foi registrado depois do anúncio da parceria negocial da instituição financeira com o Flamengo para a criação de um novo banco digital.

O projeto entre o BRB e o Flamengo prevê a abertura de conta digital, comercialização de cartões e seguros, além de uma série de benefícios desenhados especialmente para os cerca de 40 milhões de torcedores do time.

O acordo, segundo dirigentes do BRB, vai permitir ao banco avançar no segmento digital e está alinhado ao planejamento estratégico de expansão da marca. Faz parte da tática da atual gestão diversificar os negócios e posicionar o Banco de de Brasília tanto no cenário nacional quanto no ambiente digital.

“A escolha do parceiro foi estratégica e permitirá ao BRB diversificar seus negócios, aumentar a sua base de clientes e valorizar ainda mais os seus ativos. O crescimento do valor de mercado do Banco nas últimas semanas reforça a expectativa de crescimento e de avanço do BRB no mundo digital”, destaca o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa.

Modelo
O modelo de negócio firmado com o Flamengo não é semelhante a nenhum outro existente no mercado. O contrato entre o banco e o clube carioca tem três anos de duração, renováveis por mais dois. Permite, ainda, a criação de uma nova empresa no futuro.

Com a parceria, o BRB vai oferecer atendimento bancário em plataforma digital com produtos de identidade personalizada, programa de relacionamento e de experiências exclusivas, além de atendimento nos canais físicos. Por isso, a parceria também prevê a instalação de uma unidade do BRB nas dependências do clube para atendimento a atletas, torcedores e empregados do Flamengo.

O banco terá também direito exclusivo de pagamento da folha salarial do clube e preferência na contratação, por parte do Flamengo, de produtos e serviços bancários como empréstimos, cartões e seguros. Em contrapartida, o clube terá participação nos resultados alcançados com a comercialização de produtos e serviços, o que vai gerar aumento de receita à instituição.

O contrato estabelece um valor mínimo garantido por ano de R$ 32 milhões ao Flamengo pelo direito de exclusividade de exploração dos negócios previstos na parceria envolvendo torcedores, imagem e negócios corporativos com o clube.



Fotos: José Melo.


Equipe de obras realiza a limpeza urbana no bairro Jardim Querência



A Prefeitura de Águas Lindas por meio da Secretaria Municipal Obras realizou a limpeza urbana no bairro Jardim Querência. Esse serviço é realizado em vários pontos da cidade para assegurar a saúde da população e diminuir os riscos de contaminação ou proliferação do mosquito da dengue.
É importante ressaltar que a manutenção da limpeza urbana é responsabilidade de todos. Portanto é fundamental que a população evite jogar lixo em terrenos vazios, mesmo que não tenha placas indicativas de proibição. Colabore para o bem-estar de todos, inclusive o seu. Compartilhe dessa ideia. Seja um cidadão consciente.
O acúmulo de lixo em áreas inapropriadas atrai pequenos animais, insetos e mau cheiro, assim como bocas de lobo sujas, por conta do lixo que é levado pela enxurrada, durante períodos chuvosos, gerando além de riscos à saúde, impacto visual negativo nestas regiões, por causa da sujeira, forte odor e até alagamentos.

Condomínio Reserva Parque de Valparaíso de Goiás-GO é exemplo de gestão e organização

O condomínio Reserva Parque, situado na cidade de Valparaíso de Goiás-GO, merece ser estudado quanto a sua organização social, a qual está dotada de recursos humanos, patrimoniais, tecnológicos e informacionais, evidenciados de forma eficiente, focado no objetivo do atingimento de sua finalidade específica, que é o bem estar da sociedade condominial


Foto: José de Paula.

Tendo como consequência  a valorização do patrimônio dos coproprietários, razão pela qual é imperioso destacar o Residencial sob o viés da sua Administração que foi eleita pelos seus condôminos. 

Neste sentido, faz-se importante destacar que a Administração do Condomínio Reserva Parque vem desenvolvendo suas funções de forma glamurosa, que poderia ser citada como modelo para uma futura conscientização da sociedade sobre a relevância da gestão condominial nos dias atuais. 

O Condomínio elaborou seu regramento interno, disciplinando as relações de vizinhança, criando sua estrutura interna de poder, cargos e funções, bem como de seu orçamento, estabelecendo uma saúde financeira estável, com recursos disponíveis para alcançar objetivos próprios, ou seja, estabeleceu condições básicas aos seus condôminos dentro dos limites permitidos pela legislação. 

Destacamos ainda, que, com a participação do coletivo do Condomínio Residencial Reserva Parque, foi possível o desenvolvimento de uma gestão condominial própria; com olhar técnico específico, proporcionando planejamento, organização, direção e controle, com a finalidade de realizar propósitos comuns. 

No que tange ao atual problema vivido mundialmente, em razão da disseminação do Novo Coronavírus – COVID-19, o condomínio Reserva Parque não mensurou esforços, levando em consideração a primazia da salubridade dos seus moradores, em conformidade com as orientações da Organização Mundial da Saúde, bem como dos Decretos emanados pelos Poderes Púbicos. 

Desta forma, podemos conceituar o Condomínio Reserva Parque como um Residencial administrado com esforço cooperativo, no qual, cada participante, incluindo seus moradores têm um papel definido a desempenhar deveres e tarefas a executar, uma vez que é composto por pessoas, tarefas, administração e acima de tudo valorização do empreendimento. 

Administrar é a arte de realizar coisas com e por meio de pessoas, em grupos formalmente organizados, ou seja, é o processo de planejar, organizar, liderar e usar todos os recursos disponíveis para alcançar todos os objetivos. 

A Condomínio Reserva Parque vem adquirindo uma complexidade crescente, demandando na atualidade um olhar multidisciplinar, com ênfase na ciência da administração, que o capacite a lidar com a tecnologia, legislação, finanças, aspectos contábeis, previdenciários, tributários, manutenção predial, mediação de conflitos, envelhecimento da população e outras demandas complexas. 

Fotos: José de Paula.

Opinião: Reduzir os salários dos servidores é a solução?



A sociedade brasileira está se despertando para o fato de que as medidas de distanciamento social – necessárias para conter o ritmo de transmissão do coronavírus – vão resultar na maior contração econômica jamais ocorrida na história do país



Por José José Luís Oreiro

Deve-se deixar claro que não existe o dilema entre vidas e economia: todos os países vão sofrer em maior ou menor grau forte queda do nível de atividade econômica, cuja intensidade será tão maior quanto: (a) maior for o período distanciamento social para limitar a transmissão do vírus; e (b) menores forem as medidas de estímulo fiscal e monetário adotadas para atenuar o choque de demanda decorrente do isolamento.

A agricultura e a indústria, pela natureza de seu processo produtivo que exige menor interação pessoal (a interação é homem-máquina, não homem-homem), podem continuar operando de forma mais ou menos "normal" durante o período de distanciamento social, a depender, é claro, do nível de demanda pelos produtos. É o setor de serviços que será duramente afetado pelas medidas de distanciamento social, pois a maior parte das atividades exigem a interação homem-homem, a qual não pode ser inteiramente substituída pelo teletrabalho ou pelo e-commerce. Dessa forma, o risco de desabastecimento de gêneros de primeira necessidade está, por hora, afastado. O grande desafio é, portanto, garantir um volume suficientemente grande de demanda pelos bens agrícolas e industriais durante o isolamento.

As empresas desse setor, confrontadas com a queda das vendas, decorrentes da impossibilidade de interação entre as pessoas, vão fazer demissões em massa. Trabalhadores sem renda não têm como demandar os bens agrícolas e industriais (por exemplo, produtos de limpeza e higiene) necessários para a sua subsistência. Como consequência, a produção de alimentos e produtos manufaturados de consumo semidurável também será atingida com impacto indireto na produção de bens intermediários e de capital. Dessa forma, a produção agrícola e industrial será reduzida, levando assim ao desabastecimento de gêneros de primeira necessidade.

Mas isso não precisa ocorrer. A demanda dos trabalhadores desempregados pode ser mantida por intermédio de transferências de dinheiro por parte do governo. Com dinheiro no bolso, os trabalhadores desempregados poderão continuar comprando os bens de primeira necessidade, sustentando assim a demanda por alimentos e produtos manufaturados.

A questão é como financiar esse programa. Alguns analistas do mercado financeiro sugerem que a conta deve ser passada aos servidores públicos, cuja renda não foi afetada pelas medidas de distanciamento social. O argumento usado é de ordem moral, não econômica. A ideia é que não é "justo" que apenas os trabalhadores do setor privado sejam penalizados com perda de renda. Todos os trabalhadores devem ter a renda reduzida.

O problema com esse tipo de proposta é que ela é, ao mesmo tempo, desnecessária e nociva para o funcionamento da economia. Desnecessária porque o governo, ao emitir dívida denominada em moeda nacional, não possui restrição financeira.

Nociva porque, ao reduzir a renda dos servidores públicos, o governo vai ampliar, ao invés de reduzir, o choque de demanda que estava inicialmente restrito ao setor privado. Em suma, é perfeitamente possível sustentar os empregos e a renda do setor privado sem punir os servidores públicos, muitos dos quais estão na linha de frente de combate à pandemia.


*José Luís Oreiro é professor adjunto do departamento de economia da Universidade de Brasília. Graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, mestre em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e doutor pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Moradores do bairro Pacaembuzinho sofrem com o descaso em Valparaíso



Em Valparaíso, toda a população carece de um olhar mais humano por parte dos gestores da cidade. O bairro Pacaembuzinho, é um dos locais que mais sofre com a falta dessa atenção. O local está completamente abandonado, e a falta de estrutura dificulta a vida dos moradores.

O bairro não possui condições dignas de moradia, não existe CEP na região. Quem mora por lá não tem acesso a direitos básicos, como saúde, segurança e lazer. Falta posto de saúde, policiamento, e falta até mesmo uma área de lazer que as crianças possam brincar.
Todos esses problemas se acumulam há muitos anos, e nenhuma gestão que esteve à frente de Valparaíso, conseguiu solucioná-los. Deixando a população que já está cansada, ainda mais decepcionada.

Valparaíso precisa de um gestor que seja capaz de olhar para a cidade, como um todo. Que seja capaz de atender a todos. É direito do cidadão, que paga impostos, ter uma vida digna. E isso só irá acontecer, quando a velha política sair de cena, dando espaço e oportunidade para o novo mostrar, que veio verdadeiramente, fazer a diferença.

Heli Dourado contribuiu com o crescimento de Formosa



Heli Dourado tem uma história de comprometimento e trabalho com Formosa, ainda quando jovem sempre quis contribuir com o desenvolvimento do município e por isso entrou na vida política. 

Foi eleito Deputado Estadual por três vezes consecutivas, e na primeira ocasião foi o candidato mais jovem a ser eleito no estado, com apenas 24 anos. Apesar de ser jovem também era cheio de vontade de trabalhar e por isso conseguiu diversas conquistas para a cidade. 

Entre as conquistas de Heli Dourado para Formosa estão a UEG, se você vai ao Itiquira, Cabeceiras, Planatina/GO, energia elétrica para toda periferia de Formosa, instalação de telefone público para o Bezerra, JK e Santa Rosa pela antiga telebrasília, além do BEG, DETRAN, quartel, posto de saúde em frente ao Rezende, dentre outros.

Formosa precisa de um gestor com trabalho para mostrar e que respeite a cidade e seus moradores. Dar espaço à nova política é a solução para que a cidade avance.   

Melhores