OS's de Marconi Perillo acusadas de escravizar médicos

O Ministério do Trabalho e Emprego de Goiás identificou diversas irregularidades nas Organizações Sociais que administram hospitais na gestão Marconi Perillo (PSDB)

A auditoria encontrou médicos trabalhando até 60 horas por plantão, o que é proibido. Além disso, as OS estão quarteirizando a mão de obra médica para empresas de fachada e contratando profissionais sem processo seletivo. 

Os auditores lavraram 23 autos, que incluem entre eles os constantes atrasos de salários. Entre os hospitais apontados na investigação estão o Hugo, Hutrin, Hugol, Crer, IGH, HMI e Huapa. As empresas ainda são acusadas de sonegar R$ 8 milhões do FGTS. 

Se a dupla Marconi Perillo e José Eliton deixa fazer isso com médicos, imagine você, leitor, como são tratados os enfermeiros, técnicos e outros profissionais nos hospitais terceirizados pelo governo.

Comentários

Política

Mais vistas

Sondagens mostram o candidato de Marconi Perillo para 2018 como um fiasco

Goiás

Concursos